Cananeia

 

Fundada em 1531, Cananeia situa-se extremo do litoral sul do Estado de São Paulo em uma região riquíssima histórica e ecologicamente. Ao lado do maior remanescente de Mata Atlântica do planeta, por aqui se encontram histórias do primeiro povoado brasileiro, nascido a partir de 1502, com a chegada do enigmático Bacharel de Cananeia, talvez conhecido também como Cosme Fernandes, degredado da Coroa Portuguesa, que após alguns anos se tornará um “líder” entre os indígenas locais ou ainda um dos primeiros traficantes de seres humanos para o mercado escravista no continente.

 

 

Hoje em dia, a cidade destaca-se não só pela sua importância ecológica e histórica, mas também pelas suas manifestações culturais oriundas da cultura caiçara, que por sua vez, é fruto da miscigenação entre europeus, índios e negros. Ainda hoje, suas terras e águas são habitadas por comunidades caiçaras, quilombolas, indígenas, caboclas e de agricultores familiares, constituindo uma diversidade cultural raramente encontrada tão próxima de grandes centros.

 

A cidade está inserida num mosaico de Unidades de Conservação, assim toda e qualquer prática socioeconômica dessas comunidades deve submeter-se à legislação, o que as coloca numa posição de vulnerabilidade cultural e risco socioambiental.

 

 

Dentre elas, destaca-se a “Área de Proteção Ambiental Cananeia-Iguape-Peruíbe (APA CIP)”, uma Unidade de Conservação que visa a compatibilizar as atividades humanas com o uso sustentável do ambiente. Está localizada no litoral Sul do Estado de São Paulo, na região do Vale do Ribeira, local que abriga a maior porção contínua e mais preservada de Mata Atlântica que ainda resta no Brasil.

 

Todas essas características fizeram com que a Unesco, órgão da ONU para a Educação, Ciência e Cultura, considera-se a região como parte da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica. Isto deve-se à sua relevância para a conservação do meio ambiente, o conhecimento científico e a preservação de valores humanos e do saber tradicional na busca de modelos de desenvolvimento sustentável, que atendam da melhor forma possível as necessidades atuais e futuras do ser humano em consonância com o ambiente e a diversidade biológica.

 

 

Desde 2000, a região integra a lista mundial de Sítios do Patrimônio Natural da Humanidade. Mais recentemente, a APA Cananeia-Iguape-Peruíbe foi reconhecida como o mais novo Sítio da Convenção de Ramsar (set/2017).

 

A Convenção de Ramsar, como é mais conhecida, foi assinada em fevereiro de 1971 na cidade de Ramsar, no Irã. Trata-se de um tratado intergovernamental que oferece estrutura para ações em nível nacional e, em nível internacional de cooperação para conservação e uso sustentável de áreas úmidas e seus recursos.